Financiamento coletivo no Brasil – Blog do Catarse

Dicas de Campanha / Geral / Histórias de Projetos

Este jovem poeta irá doar 100 exemplares de seu primeiro livro para bibliotecas comunitárias

Poetas são pessoas com sensibilidade extra. E, algumas vezes, essa forma generosa de enxergar a vida transborda o papel. O escritor Bruno Fontes, que tem campanha no ar para publicar seu primeiro livro de poemas, decidiu doar 100 exemplares do título inédito O Que Eu Faço com a Saudade? para bibliotecas comunitárias, ONGs e outras instituições ou pessoas que sejam apaixonados por livros.

A publicação, ilustrada pelo artista recifense Filipe Simões, reúne crônicas líricas, escritas por Bruno Fontes nos últimos dez anos, após o fim de seu primeiro amor. Popular no Facebook e no Instagram, o poeta já encanta por lá milhares de seguidores com seus versos românticos, e está prestes a transformar este trabalho em um belo livro impresso.

Durante o planejamento das recompensas para campanha no Catarse, Bruno achou interessante permitir ao apoiador, além de adquirir o próprio exemplar, fazer com que o livro chegasse a pessoas e lugares carentes de literatura. “Quem apoia no Catarse são naturalmente pessoas dispostas a ajudar, mesmo que seja apenas para agradar um amigo e, com certeza, o apoio fica ainda mais significativo com este tipo de ação. Amor e solidariedade cabem em qualquer espaço, é só a gente procurar onde encaixar”, diz o realizador.

Para viabilizar essa doação, Bruno contou com o projeto Eh Aqui Doações, que aceita, coleta e faz a triagem e encaminhamento de livros doados para bibliotecas, ONGs e outras instituições que trabalham com populações em vulnerabilidade social. Desde a sua criação, a Eh Aqui já distribuiu mais de 22,3 mil livros, em mais de 40 cidades do Brasil.

Além de estimular apoios para a própria campanha, esse tipo de iniciativa – que já foi utilizadas por vários realizadores bem sucedidos, como as dos livros Casacadabra, As Histórias do Pequeno Patachu e Conversa com Criança: Presença – Caminho – amplia o impacto social dos projetos e fortalece ainda mais as relações entre autores, editores e leitores.

“Eu ficaria muito feliz de receber uma mensagem de um jovem do outro lado do país contando que recebeu meu livro e adorou e, melhor, que recebeu por meio da doação. Tenho certeza de que tem gente que gostaria de consumir mais literatura, mas a vida não dá condições. Se 1 desses 100 livros que estou doando mudar a vida de alguém, o projeto terá sido mais que um sucesso”, conclui Bruno Fontes. Ainda dá tempo de participar dessa corrente: a campanha do livro O Que Eu Faço com a Saudade? acaba em 7 dias. Corre lá: https://www.catarse.me/brunofontes