Financiamento coletivo no Brasil – Blog do Catarse

Browsing Category Geral

Geral / Mundo Crowd / Novidades Catarse

R$60 milhões apoiados a criadores independentes no Catarse

Desde 2011, mais de 390.000 pessoas já apoiaram pelo menos um projeto no Catarse, dando a oportunidade para mais de 4500 ideias saírem do papel. Todo esse movimento da comunidade nos fez alcançar uma importante marca nesse mês: ultrapassamos os R$60 milhões destinados a criadoras e criadores independentes no Catarse. Um recorde do financiamento coletivo brasileiro.

Mas financiamento coletivo não é só sobre dinheiro. É sobre pessoas. É sobre oferecer aos criadores a oportunidade de investir mais tempo de suas vidas fazendo aquilo que os enchem de tesão. É sobre proporcionar aos apoiadores a chance de construir ativamente uma comunidade que está revolucionando a forma de viabilizar projetos no Brasil. Continue reading

Geral / Mundo Crowd

#FicaFIQ

O Festival Internacional de Quadrinhos completa 20 anos em 2017 e é o principal evento de Quadrinhos do Brasil, reunindo a cada dois anos, na cidade de Belo Horizonte, quadrinistas, editores e, especialmente, o público de leitores.

Aqui no Catarse temos uma relação especial com o FIQ: no festival de 2011 foi lançada a primeira HQ financiada coletivamente no Brasil: Achados e Perdidos, do Damasceno e do Garrocho. Este foi o pontapé para o início da construção de comunidade de apoiadores e realizadores no Catarse.

Desde então, 272 novos quadrinhos foram viabilizados no Catarse com o apoio de 40 mil pessoas. Juntas, elas contribuíram com R$4,8 milhões. E esses números continuam subindo.

Em 2015, no último FIQ, arrepiamos quando ouvimos da boca do Mauricio de Sousa: “Onde estava o Catarse quando eu comecei?”.

Na última semana, a prefeitura de Belo Horizonte, responsável pela maior parte orçamento do evento, não incluiu o FIQ na verba de cultura para o município em 2017, tornando real a possibilidade do festival não acontecer esse ano.

Acreditamos em espaços que possibilitem uma troca direta entre artista e público. E por isso, fazemos coro com os artistas e entusiastas que se posicionaram: #FicaFIQ!

Geral / Histórias de Projetos

Financiamento coletivo é caminho para Ativismo Socioambiental

O ativismo sofre de muito amor e pouco dinheiro. Indivíduos, grupos e organizações ativistas muitas vezes exercem suas funções com pouca ou nenhuma remuneração, e dependem de voluntários e de doações para seguirem em suas lutas diárias.

Apesar de ser oxigênio para transformações positivas que queremos ver na sociedade, o ativismo não é uma prática muito sedutora para o sistema tradicional de patrocínio cultural de empresas ou de editais públicos. Isso acontece, em grande parte, porque ativistas discutem justamente a contribuição de grandes corporações e do governo na construção dos problemas sociais, ambientais e econômicos que vivemos. E desafiam estes problemas através de ações diretas, campanhas, ações de comunicação e articulações comunitárias, buscando pressionar os tomadores de decisão e fortalecer a sociedade civil. Continue reading

Geral

#BLKPWR — 12 projetos de financiamento coletivo em busca de uma consciência mais negra

O mês de Novembro é bastante emblemático para a população brasileira, especialmente a população negra. Pipocam textos, entrevistas, rodas de conversa, bate-papos dos mais tipos com o objetivo de levantar a questão da parcela da população que é a maioria numérica, porém uma(de muitas) minoria política. A caminhada do povo negro, no entanto, sempre foi coletiva.

Continue reading

Geral

Mais arte, menos coisas: Revoltirinhas pela valorização do artista

Campanhas de financiamento coletivo trazem consigo histórias, causas, bandeiras. É exatamente o caso de Revoltirinhas – Lado B. Buscando a valorização do trabalho do artista, Jorge Luis Garcia decidiu redesenhar e transformar em livro as tirinhas já publicadas em sua página no facebook, agora com as histórias por trás delas, o instigante lado B. Mas essa publicação não é o clássico papel pólen, lombada quadrada, muito pelo contrário: o projeto é 100% digital. Quem explica a mudança de paradigma trazida pelo livro digital, especialmente em uma de financiamento coletivo é o próprio autor:

Continue reading