Financiamento coletivo no Brasil – Blog do Catarse

Dicas de Campanha / Geral / Histórias de Projetos

Crowdfunding muito além da Cultura – o Catarse no Path

catarsepath

Foto de Mariana Campanatti, do imagina.vc

Dos 3093 projetos já finalizados do Catarse, 1799 são de música, literatura, cinema e vídeo ou teatro. O financiamento coletivo se limita a cultura? No último sábado (25/4), tivemos a oportunidade de debater essa questão no Festival Path. O evento teve mais de 150 horas de programação com workshops, palestras, shows, filmes e debates, incluindo a mesa “Catarse – Muito Além da Cultura”, que atraiu cerca de 150 pessoas.

Os palestrantes foram Diego Reeberg, um de nossos fundadores, e três realizadores de projetos que estão fora de áreas ligadas diretamente a cultura: Márcio Sequeira, do Mola Structural Kit; Natalia Viana, da Agência Pública; e Tulio Baars, que além de ter realizado o Alexa – o primeiro projeto científico brasileiro de crowdfunding –, em 2013, faz parte hoje de nossa equipe.

“É muito importante que as pessoas saibam que o financiamento coletivo não é uma ferramenta limitada a projetos culturais” (Diego Reeberg, do Catarse)

“É muito importante que as pessoas saibam que o financiamento coletivo não é uma ferramenta limitada a projetos culturais. Tivemos nessa mesa três realizadores que justamente estão fora dessa área, além de muitos outros que estão palestrando aqui [no Path]”, explica Diego Reeberg. “É sempre bom também dar a oportunidade ao público interessado em crowdfunding de conhecer a experiência de quem usou essa ferramenta, de ouvir os realizadores”, completa.

Pública

Natalia Viana foi a primeira a apresentar seus projetos: as duas edições do Reportagem Pública. “O crowdfunding serve pra três coisas: arrecadar dinheiro, divulgar seu projeto e fortalecer sua marca e convidar o seu publico a participar, incentivando a colaboração”, diz Natália. O caráter interativo é um destaque dos crowdfundings da Pública. Além de ajudar a tirar reportagens investigativas do papel, os colaboradores do Reportagem Pública 2015 passaram a fazer parte do “conselho” da agência, decidindo em votações quais os temas a serem investigados pela Pública.

A jornalista deu dicas importantes sobre campanha. “É uma maratona, não uma corrida de tiro curto. A cada semana mudávamos nossa abordagem, para atingir um público específico”, conta. Ela ressaltou ainda as diferentes recompensas oferecidas durante os 45 dias de crowdfunding e o “compartilhaço”, quando usuários ‘emprestaram’ seus perfis no Facebook para divulgar o projeto. O Reportagem Pública 2015 arrecadou R$ 70.224, R$ 20 mil a mais do que a meta pedida.

Mola


Dono do projeto recordista do Catarse, Márcio Sequeira contou como surgiu o Mola Structural Kit. “Às vezes a solução para seu problema está do seu lado”, resume. Depois de quebrar a cabeça por muito tempo sobre qual material seria apropriado para construir um kit que simulasse o comportamento de estruturas arquitetônicas, ele resolveu parar o trabalho e tomar um banho. O problema é que o chuveiro estava quebrado. Quando trocou a resistência do equipamento, viu a resposta em suas mãos: molas.

Apesar da simplicidade da descoberta, foram anos até colocar o projeto no ar. Ele tentou o apoio de empresas e editais, mas não obteve sucesso. Soube do Catarse e se interessou pela possibilidade. “Tive que adaptar o projeto à realidade do crowdfunding”, conta. Informou interessados em seu projeto de que faria um financiamento coletivo um ano antes do Mola entrar no ar.  Durante os 45 dias de campanha, muita dedicação, 22 palestras – quase uma dia sim, dia não. O resultado: em 3 dias, bateu a meta. Em 10 dias, R$ 200 mil. Ao final do período de arrecadação, conseguiu mais de R$ 600 mil, muito acima dos R$ 50 mil da meta inicial.

Alexa

Hoje parte da equipe do Catarse, Tulio Baars não se intimidou, aos 16 anos, em mandar um email para agência espacial americana NASA. Ele queria equipamentos para estudar a Anomalia Magnética do Atlântico Sul, falha localizada bem em cima de Santa Catarina, sua terra natal. Poucos sabem do fenômeno, que gera uma entrada muito maior de radiação na região sul do Brasil.

O objetivo do programa Alexa era medir a quantidade de radiação, saber qual a diferença de SC para outros lugares do mundo. A NASA não só respondeu a mensagem do brasileiro como enviou prontamente equipamentos para que ele pudesse fazer o estudo. Com o material enviado pelos americanos – além de peças doadas pela Universidade de Stanford – e uma campanha no Catarse, ele pode obter a resposta: “63%”, contou ao público da palestra. O Alexa foi destaque na mídia especializada nacional e internacional.

“O crowdfunding é mais crowd do que funding, é mais sobre pessoas do que sobre dinheiro”, disse Tulio. A frase sintetiza a necessidade de mobilizar pessoas para se ter uma campanha de financiamento coletivo de sucesso. “Tenho de orgulho de hoje fazer parte do Catarse e empoderar pessoas para que elas transformem o mundo em algo um pouco mais próximo do que elas querem, para que mais Molas e Alexas possam aparecer”, concluiu.