Financiamento coletivo no Brasil – Blog do Catarse

Geral / Histórias de Projetos

Novos e Fresquinhos

Depois de uma calmaria proposital aqui no blog para discutirmos os caminhos da comunicação do Catarse, voltamos agitar as águas do financiamento colaborativo.

A primeira mudança é que, a partir de hoje, vamos publicar toda segunda-feira os projetos de destaque que entraram no ar no Catarse na semana anterior. Essa é uma forma de mantê-los atualizados sobre as melhores novidades que aportam por aqui.

pimp-my-carroca

Pimp My Carroça
Grande destaque da semana passada, o Pimp My Carroça vai reformar os veículos puxados pelos catadores de material reciclado em São Paulo. Depois de serem consertadas, grafitadas e de receber itens de segurança as carroças serão expostas em uma carroceata! E o carroceiros também passam por um check up.

O projeto do grafiteiro Mundano é um exemplo de iniciativas que temos orgulho de receber no Catarse. Através da arte, dá-se visibilidade e segurança a verdadeiros agentes ambientais e traz mais cor e alegria para a cidade de São Paulo. Se não bastasse isso, ainda tem um vídeo sensacional para explicar o projeto.

Urban Garden
Diferentemente de plataformas de financiamento colaborativo pelo mundo, ainda não temos uma cultura de receber projetos de design de produtos. Então, quando recebemos uma ideia legal de produto, ficamos tão felizes que queremos contar para o mundo.

O projeto Urban Garden é daqueles que são geniais pela simplicidade. A sacada é permitir que as pessoas possam pendurar vasos de flores e plantas na parede através de placas magnéticas. Se há um tempo você quer trazer vida para o seu apartamento ou cultivar uma hortinha com alecrim, manjericão e outras ervas em plena cidade, essa é uma ótima chance. Você não vai encontrar nada tão bonito, prático e barato em lojas de decoração para fazer o seu jardim urbano.

Mais de três foi o diabo que fez
Os anos 80 foram surreais no mundo todo. É possível entender o encadeamento de fatos históricos da evolução cultural de cada década no século 20. Quando chega-se, porém, aos anos 80, parece que falta algo para compreendermos completamente fenômenos como o pop, o new wave, a música eletrônica e os vídeo games.

Para nos ajudar a achar o elo perdido da década perdida é que existem projetos como Mais de Três Foi o Diabo que Fez. Desvendar a história da música “Você Não Soube me Amar”, o ponta pé inicial do BRock, através de um filme, pode colocar uma importante peça na construção do conhecimento sobre esse período obscuro e fascinante.

Obrigada por me deixar assim
Clara, uma estudante de cinema, apaixona-se por um calouro da sua faculdade ao assistir a um curta dele. Essa identificação imediata discutida no filme “Obrigada por me deixar assim” é mais ou menos o que sentimos quando nos deparamos com projetos bacanas como esse.A diferença, talvez, é que aqui no Catarse é mais fácil se tornar parte do que amamos. Aliás, obrigado a todos os apoiadores que concretizam diariamente projetos que nos deixam assim…