Primeiro projeto reciclado e bem-sucedido

Depois de um ano no esquema “tudo ou nada” de financiamento (ou alcança a meta ou o dinheiro é devolvido para os apoiadores), decidimos flexibilizar a regra no mês passado.

Estabelecemos, porém, algumas condições.  O projeto precisa: ter atingido pelo menos 25% na primeira arrecadação; ser reformulado; lançar um novo vídeo; abrir o orçamento. Além disso, o realizador precisa mandar e-mail para todos os apoiadores.

Na semana passada, o Baixo Centro foi o primeiro projeto reciclado no Catarse a ser bem-sucedido. Na primeira campanha, os realizadores pediram R$ 56 mil para realizar um festival cultural de um mês no entorno do Minhocão, no centro de São Paulo. Já na segunda, a meta foi de R$ 16 mil, para realizar apenas o primeiro final de semana do festival, que foi reduzido para dez dias de duração.

Apesar do sucesso da segunda campanha, o projeto não alcançou os R$ 23 mil captados na primeira. Na entrevista abaixo, Lucas Pretti, um dos realizadores do Baixo Centro, tenta explicar o porquê disso, avalia a experiência de reciclar um projeto de crowdfunding e dá dicas de como conduzir esse novo processo.

baixo-centro

Catarse: Vocês conseguiram identificar quais fatores causaram o insucesso da primeira campanha?

Lucas Pretti: O principal fator, na nossa avaliação, foi termos lançado a campanha entre novembro e janeiro. Apostávamos no fim do ano como um motor de campanha mesmo, com coisas do tipo “aproveite o 13º salário e invista…” ou “dê um presente de natal para SP”, essas coisas. Mas, na prática, todo mundo desligou, viajou, não quis saber de nada, inclusive muitos de nós, envolvidos com o projeto, e acabou que tivemos um mês a menos de campanha, o que influenciou pacas no resultado. Ou fator foi a gente não ter se dedicado tanto assim nos primeiros dias de campanha no ar. No final, quando começamos a sentir o que é uma campanha de crowdfunding, qual o tom etc, percebemos que podíamos ter nos dedicado mais.

Como foi a experiência de reciclar o projeto? Quais foram as principais mudanças entre as duas campanhas?

A experiência foi muito válida, tanto para rever e analisar o projeto em si - talvez ele realmente precisasse dessa adequação, pelo menos nessa primeira vez. Tivemos que praticar o olhar crítico e desapegado para nossa própria criação, e isso nem sempre é muito fácil. Em relação à campanha, a coisa foi bem meia light da segunda vez, porque a meta era apenas fazer com que as pessoas redirecionassem o dinheiro que já tinham colocado no primeiro projeto. Claro que fizemos bastante barulho, mas mais porque o projeto tem uma demanda e uma causa bem mais importantes do que pela campanha em si.

Apesar da campanha ter sido bem-sucedida, vocês não conseguiram chegar aos R$ 23 mil captados pela proposta anterior. Por que?

Bela pergunta. Estou me perguntando muito isso. A resposta certa é: porque não conseguimos nos comunicar direito com todos os apoiadores. E é uma injustiça na verdade, porque tentamos muito! Mandamos pelo menos quatro e-mails à lista de apoiadores, individualmente, avisando sobre o novo projeto e com um tutorial de como redirecionar o dinheiro. Muitos não devem ter aberto o e-mail, ou abriram e deixaram para depois, até que o prazo venceu. Perdemos R$ 6 mil nessa brincadeira - o que faria bastante diferença. Mas, enfim, não rolou. Um outro ponto é a vibe “jogo” que sempre acontece em fins de campanha. Como já tínhamos atingido a meta, foi mais difícil inflamar (e não apenas convencer) o povo. Em tese já tinha dado certo. As pessoas não se esforçam tanto quando é assim.

O que acharam da flexibilização da regra de tudo ou nada do Catarse? Alguma sugestão de modificação?

Achamos ótimo. As pessoas mudam de ideia no caminho. Tentam e erram. Com critérios, claro, elas devem ter a chance de tentar de novo. O Baixo Centro, um projeto importantíssimo para São Paulo sob diversos pontos de vista, sem modéstia, só vai acontecer por causa dessa flexibilização.

 Alguma dica para um realizador que vai reciclar o seu projeto?

Tenha uma ferramenta de e-mail marketing realmente eficiente para falar com seus apoiadores (porque a maioria das gratuitas dá pau). E só faça um projeto se ele tiver uma causa maior do que o seu umbigo. O mundo está aí, ele precisa da sua atenção. Se a causa for importante, o projeto rola.

Catarse
A comunidade de financiamento coletivo mais charmosa do Brasil! Desde 17 de janeiro de 2011 contribuimos para que, cada vez mais, um monte de projetos fabulosos possam acontecer no Brasil e no mundo.

Talvez você se interesse...

Junte-se à conversa

Primeiro projeto reciclado e bem-sucedido

Depois de um ano no esquema “tudo ou nada” de financiamento (ou alcança a meta ou o dinheiro é devolvido para os apoiadores), decidimos flexibilizar a regra no mês passado.

Estabelecemos, porém, algumas condições.  O projeto precisa: ter atingido pelo menos 25% na primeira arrecadação; ser reformulado; lançar um novo vídeo; abrir o orçamento. Além disso, o realizador precisa mandar e-mail para todos os apoiadores.

Na semana passada, o Baixo Centro foi o primeiro projeto reciclado no Catarse a ser bem-sucedido. Na primeira campanha, os realizadores pediram R$ 56 mil para realizar um festival cultural de um mês no entorno do Minhocão, no centro de São Paulo. Já na segunda, a meta foi de R$ 16 mil, para realizar apenas o primeiro final de semana do festival, que foi reduzido para dez dias de duração.

Apesar do sucesso da segunda campanha, o projeto não alcançou os R$ 23 mil captados na primeira. Na entrevista abaixo, Lucas Pretti, um dos realizadores do Baixo Centro, tenta explicar o porquê disso, avalia a experiência de reciclar um projeto de crowdfunding e dá dicas de como conduzir esse novo processo.

baixo-centro

Catarse: Vocês conseguiram identificar quais fatores causaram o insucesso da primeira campanha?

Lucas Pretti: O principal fator, na nossa avaliação, foi termos lançado a campanha entre novembro e janeiro. Apostávamos no fim do ano como um motor de campanha mesmo, com coisas do tipo “aproveite o 13º salário e invista…” ou “dê um presente de natal para SP”, essas coisas. Mas, na prática, todo mundo desligou, viajou, não quis saber de nada, inclusive muitos de nós, envolvidos com o projeto, e acabou que tivemos um mês a menos de campanha, o que influenciou pacas no resultado. Ou fator foi a gente não ter se dedicado tanto assim nos primeiros dias de campanha no ar. No final, quando começamos a sentir o que é uma campanha de crowdfunding, qual o tom etc, percebemos que podíamos ter nos dedicado mais.

Como foi a experiência de reciclar o projeto? Quais foram as principais mudanças entre as duas campanhas?

A experiência foi muito válida, tanto para rever e analisar o projeto em si - talvez ele realmente precisasse dessa adequação, pelo menos nessa primeira vez. Tivemos que praticar o olhar crítico e desapegado para nossa própria criação, e isso nem sempre é muito fácil. Em relação à campanha, a coisa foi bem meia light da segunda vez, porque a meta era apenas fazer com que as pessoas redirecionassem o dinheiro que já tinham colocado no primeiro projeto. Claro que fizemos bastante barulho, mas mais porque o projeto tem uma demanda e uma causa bem mais importantes do que pela campanha em si.

Apesar da campanha ter sido bem-sucedida, vocês não conseguiram chegar aos R$ 23 mil captados pela proposta anterior. Por que?

Bela pergunta. Estou me perguntando muito isso. A resposta certa é: porque não conseguimos nos comunicar direito com todos os apoiadores. E é uma injustiça na verdade, porque tentamos muito! Mandamos pelo menos quatro e-mails à lista de apoiadores, individualmente, avisando sobre o novo projeto e com um tutorial de como redirecionar o dinheiro. Muitos não devem ter aberto o e-mail, ou abriram e deixaram para depois, até que o prazo venceu. Perdemos R$ 6 mil nessa brincadeira - o que faria bastante diferença. Mas, enfim, não rolou. Um outro ponto é a vibe “jogo” que sempre acontece em fins de campanha. Como já tínhamos atingido a meta, foi mais difícil inflamar (e não apenas convencer) o povo. Em tese já tinha dado certo. As pessoas não se esforçam tanto quando é assim.

O que acharam da flexibilização da regra de tudo ou nada do Catarse? Alguma sugestão de modificação?

Achamos ótimo. As pessoas mudam de ideia no caminho. Tentam e erram. Com critérios, claro, elas devem ter a chance de tentar de novo. O Baixo Centro, um projeto importantíssimo para São Paulo sob diversos pontos de vista, sem modéstia, só vai acontecer por causa dessa flexibilização.

 Alguma dica para um realizador que vai reciclar o seu projeto?

Tenha uma ferramenta de e-mail marketing realmente eficiente para falar com seus apoiadores (porque a maioria das gratuitas dá pau). E só faça um projeto se ele tiver uma causa maior do que o seu umbigo. O mundo está aí, ele precisa da sua atenção. Se a causa for importante, o projeto rola.

Catarse
 conversou com
No items found.

Sobre quem falamos nessa história

No items found.

Sobre quem falamos nessa história

No items found.
10 anos de histórias
Conheça outras histórias >
No items found.

Quer fazer parte
dos próximos 10 anos
do Catarse?

Comece seu projeto