Crowdfunding e Facebook Ads: como usar anúncios para alavancar sua campanha

Captura de Tela 2015-10-08 às 15.37.44

O Facebook é uma ferramenta muito interessante, usada por 1,5 bilhão de pessoas que são frequentemente impactadas por anúncios. Esse post é resultado do acompanhamento de 5 campanhas de crowdfunding no Catarse que utilizaram em peso esse recurso, o Facebook Ads.

Seu projeto pode se beneficiar – e muito – dessa ferramenta!  Neste texto, veremos como usar os formatos pagos do Facebook para campanhas de financiamento coletivo e dicas de como segmentar seu público, analisar uma campanha e até “driblar” a regra dos 20% (limite de texto em imagens patrocinada).

O objetivo não é fornecer um passo-a-passo para a criação de anúncios no Facebook, pois esses existem aos montes, mas dar dicas muito valiosas que podem poupar muito tempo e dinheiro.

Números de Vídeo postado no Facebook, sem uso de Ads Números de Vídeo postado no Facebook, sem uso de Ads

Uma dica de ouro que demorei a perceber é que, por trás de todos os números, métricas, jargões, estratégias e métodos de criação de anúncios e segmentação de público, existe uma lógica muito simples: um impulsionamento não vai mudar o desempenho de uma postagem, apenas amplificá-lo. Um erro comum é injetar dinheiro em postagens que não estão repercutindo como esperamos, o que só consome recursos. Se a postagem estiver indo mal, isso só vai fazer com que ela vá mal para um número maior de pessoas.

Por isso, teste organicamente o potencial do seu material. Crie várias versões da mesma postagem, com chamadas e imagens diferentes. Ao ver qual tem o melhor desempenho com sua comunidade, aposte nos Ads. O que isso quer dizer? Se ela já estiver gerando compartilhamentos, comentários e curtidas, há muito mais chances do investimento trazer um bom retorno.

Formatos pagos

O Facebook oferece alguns tipos de formatos pagos e diferentes locais de exibição para cada um deles. Vamos falar aqui de postagens impulsionadas, anúncios e campanhas de likes na página.

  • Postagens impulsionadas: para que um post de sua página seja visto por mais pessoas, esse é o formato ideal.

  • Anúncios: esse é o formato mais complexo, pois envolve muitas variáveis. Ele pode aparecer tanto na timeline quanto na barra lateral, desktop ou mobile, além de conter fotos ou vídeos.

  • Campanhas de likes na página: formato simples, você impulsiona sua página para que ela receba mais likes e cresça sua comunidade. Continue lendo para entender por que eu não recomendo essa abordagem.

Cada formato tem vantagens e desvantagens. Não se deixe perder pelas nomenclaturas CPM, CPC, Pontuação de Relevância, Frequência e afins. Vamos explicar tudo abaixo.

1.Postagens impulsionadas

Janela de impulsionamento de postagens Janela de impulsionamento de postagens

Toda página no Facebook se concentra ao entorno de suas postagens e o engajamento que o público tem com elas. Podemos dividir em três tipos: link, imagem ou vídeo. Não vamos considerar postagens que apenas envolvem texto pois possuem um engajamento e alcance muito menores.

Quando compartilhamos um link em uma página, ele pega uma thumbnail do link. Quando ele puxar a imagem errada, use o Facebook URL Debug para o FB atualizar a imagem certa do seu thumbnail.

E a regra aqui é simples: se está indo bem, impulsione até sentir que está obtendo retorno. Caso notar uma queda no desempenho, você pode pausar o impulsionamento.

2. Anúncios

Esse é o formato mais interessante e complexo. Serve para você alcançar pessoas independente da conexão com a sua página, apenas baseado em informações demográficas e interesses.

11409192_551955774951949_1634021940_n.png

Os três posicionamentos básicos são feed, barra lateral e mobile.

Em resumo, a recomendação é: divulgue sua campanha em desktop e timeline. Não recomendo usar barra lateral (a conversão é baixíssima) e o mobile varia muito quanto ao público. Se seu público for mais antenado em tecnologia, vale a pena fazer alguns testes no mobile. A principal vantagem do mobile é ter um custo menor.

3. Campanhas de likes na página

Criação de campanha para ganhar likes Criação de campanha para ganhar likes

Esse é um formato polêmico. O que acontece é que a curto prazo você ganha muitas curtidas, mas a longo perde alcance. E por quê? A sensação geral é que o Facebook começa a ‘empurrar’ sua página para pessoas cada vez menos criteriosas, com o objetivo de consumir seu orçamento o quanto antes. Isso estimula clickfarms e contas fake a curtirem as páginas, pois tem um custo bem menor. A longo prazo isso se torna um problema, pois como sua página tem curtidas muito distintas e pouco qualificadas, isso gera uma queda no engajamento.

Encontrando seu público

Existem várias formas de segmentar seu público, isto é, as pessoas que verão sua postagem. Vamos nos ater a localização, idade, gênero, idiomas, interesses, comportamentos e conexões. Outras opções são mais avançadas e fogem do escopo dessa postagem.

  • Localização: é possível definir desde país até rua, mas o recomendado é segmentar por cidades +20Km.

  • Idade: escolha a idade de seu apoiador ideal;

  • Gênero/opção: vai depender bastante de seu público, vale a pena usar para projetos com temas como feminismo ou diversidade sexual;

  • Idiomas: recomendo não usar, muitas pessoas usam o Facebook em um idioma diferente;

  • Interesses: defina os interesses de seu apoiador ideal, páginas que ele curte, músicas que ouve, filmes que assiste e lugares que visita. Fique atento às sugestões do Facebook.

  • Comportamentos: use com cautela e nunca ao mesmo tempo que interesses. Vale muito mais a pena usar para projetos de aplicativos e produtos digitais.

  • Conexões: procure sempre que possível segmentar para pessoas e amigos de pessoas que curtiram sua página. Isso é social proof, tira um pouco da frieza de ser uma página aleatória aparecendo no feed, principalmente quando um amigo seu curtiu aquela página.

Exemplo: digamos que temos um projeto de música eletrônica que vai rodar shows em três capitais: São Paulo, Rio de Janeiro e Florianópolis. O foco são estudantes universitários de até 26 anos que tem interesse por artistas de house e festivais de música.

 Definindo demografia:

facebook_ads_target.PNG

Definindo interesses:

facebook_ads_target2.PNG

Definindo custo:

facebook_ads_target3.PNG

 Dicas:

  • Peque por excesso de foco  do que por falta. Especifique ao máximo quem você acredita ser seu apoiador ideal e vá ampliando esse público aos poucos. Por mais que soe contraintuitivo, a estratégia do zoom (começar abrangente e ir dando zoom em quem tem funcionado) acaba se tornando mais dispendiosa;

  • Faça vários testes com a mesma campanha com um pequeno valor para cada uma. A partir de R$5 diários por 3 dias já é possível obter um resultado satisfatório.

  • Sempre utilize orçamento diário e pause o anúncio manualmente. Usar orçamento vitalício parece mais lógico, mas sentimos que o Facebook ‘empurra’ o anúncio para usuários menos criteriosos apenas para consumir seu orçamento no tempo previsto.

  • Caso você esteja tendo problemas ao inserir imagens nos seus anúncios, o Jon Loomer tem uma excelente maneira de dar uma voltinha na Regra dos 20%:

 

facebook-ads-image-20-percent-rule-700x365.png

Análise de resultados

Após ajustar tudo e criar várias versões do mesmo anúncio, é hora de ir para o ar. Acompanhe o desempenho de cada postagem pelo menos duas vezes por dia, por 3 dias. Depois disso, já podemos começar a fazer a análise de resultados.

Atente-se para três números: Resultados, Pontuação de Relevância e Frequência. Os resultados são cliques na página de sua campanha no Catarse. A Pontuação de Relevância é um número de 0 a 10 que representa o quão bem foi definido seu público -- a qualidade de seu anúncio. Quanto mais próximo de 10, melhor, mas 7 já é um bom índice. Já a frequência indica a média de vezes que alguém viu seu anúncio. O ideal é que esse número fique abaixo de 2, pois acima disso você pode saturar possíveis apoiadores.

 

analise_facebookads.PNG

 Nesse exemplo, podemos perceber que obtivemos 1.522 cliques no projeto, uma frequência muito boa (1,13) e uma alta Pontuação de relevância (9). Com esses resultados, podemos deixar o anúncio rodando até que a frequência se aproxime de 2.

Conclusão

O Facebook é uma ferramenta poderosa que pode ajudar a escalar e muito a divulgação de seu projeto. Usando as dicas aqui será possível obter um resultado muito satisfatório!

Talvez você se interesse...

Junte-se à conversa

Crowdfunding e Facebook Ads: como usar anúncios para alavancar sua campanha

Captura de Tela 2015-10-08 às 15.37.44

O Facebook é uma ferramenta muito interessante, usada por 1,5 bilhão de pessoas que são frequentemente impactadas por anúncios. Esse post é resultado do acompanhamento de 5 campanhas de crowdfunding no Catarse que utilizaram em peso esse recurso, o Facebook Ads.

Seu projeto pode se beneficiar – e muito – dessa ferramenta!  Neste texto, veremos como usar os formatos pagos do Facebook para campanhas de financiamento coletivo e dicas de como segmentar seu público, analisar uma campanha e até “driblar” a regra dos 20% (limite de texto em imagens patrocinada).

O objetivo não é fornecer um passo-a-passo para a criação de anúncios no Facebook, pois esses existem aos montes, mas dar dicas muito valiosas que podem poupar muito tempo e dinheiro.

Números de Vídeo postado no Facebook, sem uso de Ads Números de Vídeo postado no Facebook, sem uso de Ads

Uma dica de ouro que demorei a perceber é que, por trás de todos os números, métricas, jargões, estratégias e métodos de criação de anúncios e segmentação de público, existe uma lógica muito simples: um impulsionamento não vai mudar o desempenho de uma postagem, apenas amplificá-lo. Um erro comum é injetar dinheiro em postagens que não estão repercutindo como esperamos, o que só consome recursos. Se a postagem estiver indo mal, isso só vai fazer com que ela vá mal para um número maior de pessoas.

Por isso, teste organicamente o potencial do seu material. Crie várias versões da mesma postagem, com chamadas e imagens diferentes. Ao ver qual tem o melhor desempenho com sua comunidade, aposte nos Ads. O que isso quer dizer? Se ela já estiver gerando compartilhamentos, comentários e curtidas, há muito mais chances do investimento trazer um bom retorno.

Formatos pagos

O Facebook oferece alguns tipos de formatos pagos e diferentes locais de exibição para cada um deles. Vamos falar aqui de postagens impulsionadas, anúncios e campanhas de likes na página.

  • Postagens impulsionadas: para que um post de sua página seja visto por mais pessoas, esse é o formato ideal.

  • Anúncios: esse é o formato mais complexo, pois envolve muitas variáveis. Ele pode aparecer tanto na timeline quanto na barra lateral, desktop ou mobile, além de conter fotos ou vídeos.

  • Campanhas de likes na página: formato simples, você impulsiona sua página para que ela receba mais likes e cresça sua comunidade. Continue lendo para entender por que eu não recomendo essa abordagem.

Cada formato tem vantagens e desvantagens. Não se deixe perder pelas nomenclaturas CPM, CPC, Pontuação de Relevância, Frequência e afins. Vamos explicar tudo abaixo.

1.Postagens impulsionadas

Janela de impulsionamento de postagens Janela de impulsionamento de postagens

Toda página no Facebook se concentra ao entorno de suas postagens e o engajamento que o público tem com elas. Podemos dividir em três tipos: link, imagem ou vídeo. Não vamos considerar postagens que apenas envolvem texto pois possuem um engajamento e alcance muito menores.

Quando compartilhamos um link em uma página, ele pega uma thumbnail do link. Quando ele puxar a imagem errada, use o Facebook URL Debug para o FB atualizar a imagem certa do seu thumbnail.

E a regra aqui é simples: se está indo bem, impulsione até sentir que está obtendo retorno. Caso notar uma queda no desempenho, você pode pausar o impulsionamento.

2. Anúncios

Esse é o formato mais interessante e complexo. Serve para você alcançar pessoas independente da conexão com a sua página, apenas baseado em informações demográficas e interesses.

11409192_551955774951949_1634021940_n.png

Os três posicionamentos básicos são feed, barra lateral e mobile.

Em resumo, a recomendação é: divulgue sua campanha em desktop e timeline. Não recomendo usar barra lateral (a conversão é baixíssima) e o mobile varia muito quanto ao público. Se seu público for mais antenado em tecnologia, vale a pena fazer alguns testes no mobile. A principal vantagem do mobile é ter um custo menor.

3. Campanhas de likes na página

Criação de campanha para ganhar likes Criação de campanha para ganhar likes

Esse é um formato polêmico. O que acontece é que a curto prazo você ganha muitas curtidas, mas a longo perde alcance. E por quê? A sensação geral é que o Facebook começa a ‘empurrar’ sua página para pessoas cada vez menos criteriosas, com o objetivo de consumir seu orçamento o quanto antes. Isso estimula clickfarms e contas fake a curtirem as páginas, pois tem um custo bem menor. A longo prazo isso se torna um problema, pois como sua página tem curtidas muito distintas e pouco qualificadas, isso gera uma queda no engajamento.

Encontrando seu público

Existem várias formas de segmentar seu público, isto é, as pessoas que verão sua postagem. Vamos nos ater a localização, idade, gênero, idiomas, interesses, comportamentos e conexões. Outras opções são mais avançadas e fogem do escopo dessa postagem.

  • Localização: é possível definir desde país até rua, mas o recomendado é segmentar por cidades +20Km.

  • Idade: escolha a idade de seu apoiador ideal;

  • Gênero/opção: vai depender bastante de seu público, vale a pena usar para projetos com temas como feminismo ou diversidade sexual;

  • Idiomas: recomendo não usar, muitas pessoas usam o Facebook em um idioma diferente;

  • Interesses: defina os interesses de seu apoiador ideal, páginas que ele curte, músicas que ouve, filmes que assiste e lugares que visita. Fique atento às sugestões do Facebook.

  • Comportamentos: use com cautela e nunca ao mesmo tempo que interesses. Vale muito mais a pena usar para projetos de aplicativos e produtos digitais.

  • Conexões: procure sempre que possível segmentar para pessoas e amigos de pessoas que curtiram sua página. Isso é social proof, tira um pouco da frieza de ser uma página aleatória aparecendo no feed, principalmente quando um amigo seu curtiu aquela página.

Exemplo: digamos que temos um projeto de música eletrônica que vai rodar shows em três capitais: São Paulo, Rio de Janeiro e Florianópolis. O foco são estudantes universitários de até 26 anos que tem interesse por artistas de house e festivais de música.

 Definindo demografia:

facebook_ads_target.PNG

Definindo interesses:

facebook_ads_target2.PNG

Definindo custo:

facebook_ads_target3.PNG

 Dicas:

  • Peque por excesso de foco  do que por falta. Especifique ao máximo quem você acredita ser seu apoiador ideal e vá ampliando esse público aos poucos. Por mais que soe contraintuitivo, a estratégia do zoom (começar abrangente e ir dando zoom em quem tem funcionado) acaba se tornando mais dispendiosa;

  • Faça vários testes com a mesma campanha com um pequeno valor para cada uma. A partir de R$5 diários por 3 dias já é possível obter um resultado satisfatório.

  • Sempre utilize orçamento diário e pause o anúncio manualmente. Usar orçamento vitalício parece mais lógico, mas sentimos que o Facebook ‘empurra’ o anúncio para usuários menos criteriosos apenas para consumir seu orçamento no tempo previsto.

  • Caso você esteja tendo problemas ao inserir imagens nos seus anúncios, o Jon Loomer tem uma excelente maneira de dar uma voltinha na Regra dos 20%:

 

facebook-ads-image-20-percent-rule-700x365.png

Análise de resultados

Após ajustar tudo e criar várias versões do mesmo anúncio, é hora de ir para o ar. Acompanhe o desempenho de cada postagem pelo menos duas vezes por dia, por 3 dias. Depois disso, já podemos começar a fazer a análise de resultados.

Atente-se para três números: Resultados, Pontuação de Relevância e Frequência. Os resultados são cliques na página de sua campanha no Catarse. A Pontuação de Relevância é um número de 0 a 10 que representa o quão bem foi definido seu público -- a qualidade de seu anúncio. Quanto mais próximo de 10, melhor, mas 7 já é um bom índice. Já a frequência indica a média de vezes que alguém viu seu anúncio. O ideal é que esse número fique abaixo de 2, pois acima disso você pode saturar possíveis apoiadores.

 

analise_facebookads.PNG

 Nesse exemplo, podemos perceber que obtivemos 1.522 cliques no projeto, uma frequência muito boa (1,13) e uma alta Pontuação de relevância (9). Com esses resultados, podemos deixar o anúncio rodando até que a frequência se aproxime de 2.

Conclusão

O Facebook é uma ferramenta poderosa que pode ajudar a escalar e muito a divulgação de seu projeto. Usando as dicas aqui será possível obter um resultado muito satisfatório!

Sobre quem falamos nessa história

No items found.

Sobre quem falamos nessa história

No items found.
10 anos de histórias
Conheça outras histórias >
No items found.

Quer fazer parte
dos próximos 10 anos
do Catarse?

Comece seu projeto