Mais arte, menos coisas: Revoltirinhas pela valorização do artista

Campanhas de financiamento coletivo trazem consigo histórias, causas, bandeiras. É exatamente o caso de Revoltirinhas - Lado B. Buscando a valorização do trabalho do artista, Jorge Luis Garcia decidiu redesenhar e transformar em livro as tirinhas já publicadas em sua página no facebook, agora com as histórias por trás delas, o instigante lado B. Mas essa publicação não é o clássico papel pólen, lombada quadrada, muito pelo contrário: o projeto é 100% digital. Quem explica a mudança de paradigma trazida pelo livro digital, especialmente em uma de financiamento coletivo é o próprio autor:

Texto de Jorge Luis Garcia, artista criador do Revoltirinhas.

O revoltirinhas foi criado para incomodar os acomodados. Desde o início questionamos comportamentos frágeis e destituídos de real utilidade. E não poderia ser diferente quando pensamos em lançar nosso primeiro livro, escolhemos desde o princípio o formato digital. Mas por quê? Porque você já deve ter visto os gráficos de orçamento das campanhas de livros físicos no catarse: 100% para cobrir a produção gráfica, envio e recompensas e nada (ZERO) pra pagar o cara que teve o maior trabalho nisso tudo: o artista.

O começo da jornada no Catarse

Escolhemos o financiamento coletivo no Catarse por ser uma plataforma com uma ideologia que prestigia o artista independente, valorizando nosso trabalho, cortando intermediários e facilitando nossa vida na gestão e progresso da pré-venda de um projeto.

A primeira campanha não deu certo pois subestimamos o tamanho tabu e falta de informação do público quanto ao meio digital (apesar de estarmos vivendo o auge da era do digital... irônico, não?).

Aprendizados aplicados à segunda campanha

Ao percebermos a magnitude da coisa, trabalhamos pesado na conscientização e esclarecimento, demos ênfase em nos aproximarmos daqueles que demonstravam uma atitude mais crítica e menos dogmática na maneira de consumir quadrinhos e deu muito certo, a campanha atingiu a meta antes da metade do prazo e estamos indo rumo aos 200%. Nesse processo procuramos trabalhar mais com tirinhas críticas, reflexivas, filosóficas, por percebermos que, apesar do menor alcance, ela chegava nas pessoas mais capazes de enxergar o ideal por trás do nosso projeto

Conseguimos fortes aliados com essa valorização da parte que mais admiramos no nosso público: a parte questionadora, inquieta, pensante. Vários leitores nos ajudaram a sondar a situação, a propagar nossa desconstrução do conservadorismo na maneira de consumir livros e convidar mais pessoas a pensar. Essa mudança fez com que passássemos a mostrar um ideal antes de um mero produto, o produto como consequência desse ideal, finalmente conseguimos mostrar que por trás desse livro, existia uma alma autêntica que sempre foi presente no revoltirinhas como um todo.

A conexão com o público

Fizemos isso colocando convites impactantes nas tirinhas de maior alcance: "se você realmente lê as tirinhas como um questionador, entre em nosso grupo", sem nunca deixar o link, apenas o nome do grupo. Pois queríamos pessoas suficientemente interessadas a ponto de pesquisar o grupo e solicitar a entrada. Lá dentro eu propunha discussões, postava tirinhas de conscientização, textos, matérias, conversava diretamente com os leitores.

É muito importante se posicionar quando você está em busca de algo, deixar bem claro o que você busca e o que você não busca. Isso está totalmente relacionado ao público. Quando se tenta agradar a todos, você dificilmente conseguirá fazer algo autêntico e com algum resultado concreto. Agora, quando você aprende a dizer o "não", a prezar pelo valor do seu próprio trabalho, você chamará a atenção dos que de fato farão toda a diferença.

O público que nos interessa recepcionou o formato com uma mistura de curiosidade e questionamentos, que foi um grande prazer esclarecer e dialogar a respeito de maneira construtiva. Descobrimos que não estamos sozinhos na luta pela valorização da Arte e o melhor: conseguimos mais aliados nessa causa.

O projeto está indo para os 320 apoiadores, 320 leitores que levaram o projeto do revoltirinhas a outro patamar.

Como Tobias fala numa das minhas tirinhas preferidas: "O que seria dos seguidores de pegadas, se não houvesse os que abrem caminhos?"

E vem mais por aí!

O revoltirinhas lado B volume I é apenas o primeiro volume de uma série que irá contemplar todo o tempo de existência do revoltirinhas. Até agora serão 4 volumes, mas creio que até o lançamento do quarto, estaremos com tirinhas suficientes para lançar um quinto ou sexto. Esperamos com o sucesso dessa primeira campanha, inspirar quadrinistas e escritores a apostarem no formato digital. O mundo sem Arte é uma casca vazia e o digital escancara portas que o físico vive fechando irremediavelmente. Mais Arte, menos coisas!

 
Colaborador
Este texto foi escrito por um colaborador do Catarse! Quer ser um colaborador? Mande um email para comunicacao@catarse.me com a sua sugestão de pauta. ;)

Talvez você se interesse...

Junte-se à conversa

Mais arte, menos coisas: Revoltirinhas pela valorização do artista

Campanhas de financiamento coletivo trazem consigo histórias, causas, bandeiras. É exatamente o caso de Revoltirinhas - Lado B. Buscando a valorização do trabalho do artista, Jorge Luis Garcia decidiu redesenhar e transformar em livro as tirinhas já publicadas em sua página no facebook, agora com as histórias por trás delas, o instigante lado B. Mas essa publicação não é o clássico papel pólen, lombada quadrada, muito pelo contrário: o projeto é 100% digital. Quem explica a mudança de paradigma trazida pelo livro digital, especialmente em uma de financiamento coletivo é o próprio autor:

Texto de Jorge Luis Garcia, artista criador do Revoltirinhas.

O revoltirinhas foi criado para incomodar os acomodados. Desde o início questionamos comportamentos frágeis e destituídos de real utilidade. E não poderia ser diferente quando pensamos em lançar nosso primeiro livro, escolhemos desde o princípio o formato digital. Mas por quê? Porque você já deve ter visto os gráficos de orçamento das campanhas de livros físicos no catarse: 100% para cobrir a produção gráfica, envio e recompensas e nada (ZERO) pra pagar o cara que teve o maior trabalho nisso tudo: o artista.

O começo da jornada no Catarse

Escolhemos o financiamento coletivo no Catarse por ser uma plataforma com uma ideologia que prestigia o artista independente, valorizando nosso trabalho, cortando intermediários e facilitando nossa vida na gestão e progresso da pré-venda de um projeto.

A primeira campanha não deu certo pois subestimamos o tamanho tabu e falta de informação do público quanto ao meio digital (apesar de estarmos vivendo o auge da era do digital... irônico, não?).

Aprendizados aplicados à segunda campanha

Ao percebermos a magnitude da coisa, trabalhamos pesado na conscientização e esclarecimento, demos ênfase em nos aproximarmos daqueles que demonstravam uma atitude mais crítica e menos dogmática na maneira de consumir quadrinhos e deu muito certo, a campanha atingiu a meta antes da metade do prazo e estamos indo rumo aos 200%. Nesse processo procuramos trabalhar mais com tirinhas críticas, reflexivas, filosóficas, por percebermos que, apesar do menor alcance, ela chegava nas pessoas mais capazes de enxergar o ideal por trás do nosso projeto

Conseguimos fortes aliados com essa valorização da parte que mais admiramos no nosso público: a parte questionadora, inquieta, pensante. Vários leitores nos ajudaram a sondar a situação, a propagar nossa desconstrução do conservadorismo na maneira de consumir livros e convidar mais pessoas a pensar. Essa mudança fez com que passássemos a mostrar um ideal antes de um mero produto, o produto como consequência desse ideal, finalmente conseguimos mostrar que por trás desse livro, existia uma alma autêntica que sempre foi presente no revoltirinhas como um todo.

A conexão com o público

Fizemos isso colocando convites impactantes nas tirinhas de maior alcance: "se você realmente lê as tirinhas como um questionador, entre em nosso grupo", sem nunca deixar o link, apenas o nome do grupo. Pois queríamos pessoas suficientemente interessadas a ponto de pesquisar o grupo e solicitar a entrada. Lá dentro eu propunha discussões, postava tirinhas de conscientização, textos, matérias, conversava diretamente com os leitores.

É muito importante se posicionar quando você está em busca de algo, deixar bem claro o que você busca e o que você não busca. Isso está totalmente relacionado ao público. Quando se tenta agradar a todos, você dificilmente conseguirá fazer algo autêntico e com algum resultado concreto. Agora, quando você aprende a dizer o "não", a prezar pelo valor do seu próprio trabalho, você chamará a atenção dos que de fato farão toda a diferença.

O público que nos interessa recepcionou o formato com uma mistura de curiosidade e questionamentos, que foi um grande prazer esclarecer e dialogar a respeito de maneira construtiva. Descobrimos que não estamos sozinhos na luta pela valorização da Arte e o melhor: conseguimos mais aliados nessa causa.

O projeto está indo para os 320 apoiadores, 320 leitores que levaram o projeto do revoltirinhas a outro patamar.

Como Tobias fala numa das minhas tirinhas preferidas: "O que seria dos seguidores de pegadas, se não houvesse os que abrem caminhos?"

E vem mais por aí!

O revoltirinhas lado B volume I é apenas o primeiro volume de uma série que irá contemplar todo o tempo de existência do revoltirinhas. Até agora serão 4 volumes, mas creio que até o lançamento do quarto, estaremos com tirinhas suficientes para lançar um quinto ou sexto. Esperamos com o sucesso dessa primeira campanha, inspirar quadrinistas e escritores a apostarem no formato digital. O mundo sem Arte é uma casca vazia e o digital escancara portas que o físico vive fechando irremediavelmente. Mais Arte, menos coisas!

 

Sobre quem falamos nessa história

No items found.

Sobre quem falamos nessa história

No items found.
10 anos de histórias
Conheça outras histórias >
No items found.

Quer fazer parte
dos próximos 10 anos
do Catarse?

Comece seu projeto