Desenhando novas estratégias

Pouco mais de um mês após sua inauguração, a Castela Tattoo Shop se reinventou no financiamento coletivo para manter vivo o negócio

Ela, formada em Psicologia e tatuadora. Ele, publicitário. Um casal. O planejamento financeiro já acontecia e a ideia sempre estava presente nas entrelinhas das conversas. Mas ainda precisavam daquele estalo entre amigos para que tudo virasse realidade. E virou. Com Rafael à frente da administração e do marketing, e Lívia capitaneando as atividades (com ajuda de sua aprendiz, Laís, e de Paulinha, responsável pelo relacionamento nas redes e organização da agenda), o estúdio já nasceu com futuro promissor, reforçado pela carteira de clientes que Lívia trazia consigo. Então, o que poderia dar errado?

Rafael e Lívia, proprietários da Castela Tattoo Shop

Novo Coronavírus. Pandemia. Quarentena.

Respeitando as determinações de isolamento social contra a doença, a Castela fechou as portas com pouco mais de um mês de funcionamento. Um choque e tanto para a dupla e seu círculo próximo de amigos e profissionais da área, frente às incertezas do momento e à necessidade de soluções em curto prazo. E para o estúdio do casal, a resposta veio pouco tempo depois com o nome Tattoo na Parceria, sua primeira campanha de financiamento coletivo.

Equipe da Castela reunida em frente ao estúdio (que funcionou por pouco mais de um mês antes do início da quarentena)

A ideia de um projeto via crowdfunding sempre esteve no radar dos dois, antes mesmo da Castela receber o seu primeiro cliente. Um clube de assinaturas que não apenas oferecia benefícios, expandindo as frentes de negócio do estúdio, mas que também fortalecesse o relacionamento da marca com a comunidade – elemento sempre buscado por Lívia em sua carreira, a cada tatuagem feita para novos e antigos clientes.

Iniciada na primeira quinzena de abril e com apoios que variam entre R$5 e R$20, a campanha recorrente da dupla oferece desde a participação em três sorteios mensais (tatuagens de R$ 1500 e R$ 150, além de 25% OFF) ao desconto integral do valor apoiado, em uma tatuagem futura, e brindes digitais. A estratégia mostrou efeito positivo, com 155 assinantes até o momento e mais de R$ 3,4 mil arrecadados mensalmente. Um feito que contou com uma análise prévia sobre a comunidade, um planejamento das operações e um consistente trabalho de comunicação e identidade visual.

Campanha da Castela Tattoo Shop no Catarse

Uma campanha simples, mas muito bem planejada e estruturada, a “Tattoo na Parceria” já atingiu a meta de custear os gastos do estúdio durante a quarentena, e segue agora para um objetivo ainda mais nobre: destinar parte do valor arrecadado para ações de combate à COVID-19.

Como já dito em histórias anteriores por aqui, a campanha talvez não seja a solução definitiva para todos os problemas da Lívia e do Rafael, que seguem administrando as finanças pessoais para resolver outras despesas, como o aluguel da casa onde moram, por exemplo. Porém, a saída encontrada por ambos foi fundamental para que a reabertura da Castela ocorra assim que tudo for normalizado (na medida do possível). E mesmo quando o estúdio reabrir suas portas, a campanha continuará no ar, como parte do plano de oferecer mais benefícios e produtos no futuro, dando chance para a dupla explorar novos caminhos dentro do financiamento coletivo.

Alguns dos trabalhos feitos por Lívia e Laís

Como um corpo tatuado pela primeira vez, que não vê a hora de eternizar novos desenhos na pele. Igual o sonho de um casal em contar novas histórias. As suas próprias e a de todos que entrarem em seu estúdio de tatuagem... Se quiser participar deste sonho com eles, clique aqui.

Agora, fica o desejo que esta história possa inspirar o surgimento de tantas outras, que ainda aguardam aquela centelha para vir ao mundo. E se você acha que o financiamento coletivo pode ser a melhor opção para a sobrevivência do seu negócio neste momento, a Catarse Solidária segue em combate às consequências da COVID-19. Clique aqui embaixo para montar a sua campanha e faça parte de uma cadeia colaborativa que segue firme em seu objetivo de lutar contra a pandemia, salvando negócios e ajudando quem mais precisa.

Leandro Saioneti
Jornalista e bom vivant dos paranauês da comunicação, sonhava em ter uma banca de jornal quando criança. Trocou o desejo impresso para compartilhar cultura na internet.

Talvez você se interesse...

Junte-se à conversa